Total de visualizações de página

sábado, 19 de março de 2011

Vol. V - MARTIM, LA FIERA


Martim Mércio da Silveira nasceu em Bagé (RS), no dia 19 de novembro de 1910.
Um dos maiores “center-halfs” do futebol brasileiro, de muita disposição e ao mesmo tempo clássico e elegante. Essa posição, no tempo do sistema 2-3-5, se constituía num trabalho maior do que o exercido por qualquer outro em campo. Centralizava tudo, em torno dele girava um time, por isso alguns cronistas o determinavam como o pivô ou o peão de uma equipe. Havia também quem designasse o “center-half” como o eixo do time.
A carreira de Martim começou em 1928, no Guarany, de sua cidade natal, com 18 anos de idade.
No ano seguinte, transferiu-se para o Rio de Janeiro. Curiosamente, ao chegar, inscreveu-se para jogar em dois clubes: Flamengo e Botafogo, e optou pelo segundo.
Sua estréia no Botafogo aconteceu em 12 de outubro de 1929, em Vitória (ES), num amistoso que o Botafogo venceu o Floriano local, por 3 x 0.
Duas semanas depois, estreou em jogos oficiais. No dia 26 de outubro de 1930, pelo campeonato carioca, o Botafogo perdeu para o Fluminense, por 2 x 0. Martim foi substituído por Edmundo.
Neste ano, sagrou-se campeão carioca, participando de 20 jogos e marcando 3 gols.
Foi campeão brasileiro jogando pela Seleção Carioca e campeão da Copa dos Campeões Rio-São Paulo, no ano de 1931.
Em 1932 fez sua estréia na Seleção Brasileira, no dia 4 de dezembro, em pleno Estádio Centenário, em Montevidéu, na vitória de 2 x 1 sobre o Uruguai, jogo válido pela Copa Rio Branco daquele ano, troféu conquistado sobre os então campeões mundiais.
Também neste ano tornou-se campeão carioca pelo Botafogo. Esteve presente em todos os 22 jogos disputados pelo alvinegro carioca e marcou três gols.
Passou quase um ano na Argentina, contratado que foi pelo Boca Juniors, de Buenos Aires.
Fez sua estréia no dia 16 de abril de 1933, com vitória de 3 x 1 sobre o Velez Sarsfield.
Menos de um ano depois, deixou a Argentina. Seu último jogo com a camisa do Boca Juniors foi em 19 de novembro do mesmo ano, na derrota de 3 x 1 para o River Plate.
Como curiosidade, duas semanas antes, 5 de novembro de 1933, Martim enfrentou o brasileiro Petronilho de Brito, que era jogador do San Lorenzo. O Boca Juniors perdeu de 2 x 0 e Petronilho de Brito marcou um dos gols.
Os cronistas argentinos o apelidaram de "La Fiera".
Regressou ao Botafogo e foi convocado para a Copa do Mundo de 1934.
Capitão da Seleção Brasileira, participou da partida (única) contra a Espanha, na Copa do Mundo de 1934. O time brasileiro perdeu por 3 x 1.
No dia 2 de dezembro de 1934, no estádio General Severiano, o Botafogo levantou o tricampeonato carioca ao vencer o Andaraí por 2 x 1. Neste jogo Martim fez sua reestréia no Botafogo.
Voltou a se sagrar campeão carioca em 1935, o quinto título do Botafogo no período de 1930 a 1935. O Botafogo utilizou nesses seis anos 69 jogadores. Martim foi um dos que mais jogou: esteve em 81 jogos.
Esteve com a seleção brasileira na Copa do Mundo de 1938, na França, como capitão da equipe e participou de três dos cinco jogos.
Também nesta Copa aconteceu sua despedida da Seleção Brasileira, em 16 de junho de 1938, na derrota de 2 x 1 para a Itália.
Foram 27 jogos pela Seleção Brasileira (seis oficiais): 17 vitórias, 5 empates e 5 derrotas.
Permaneceu no Botafogo até 1940. Seu último jogo com a camisa do Botafogo aconteceu em 15 de dezembro de 1940, na vitória de 2 x 1 sobre o América.
No início do ano de 1941, o Botafogo acertou uma excursão ao México. O veterano Martim não só não foi incluído na delegação, como não teve o seu contrato renovado.
Para a campanha do campeonato carioca de 1944, Martim Silveira foi contratado para técnico Martim Silveira. Revelara-se nessas novas funções no Canto do Rio.
Na metade do ano, gravemente enfermo, Martim Silveira  deixou a direção do Botafogo. Foi então contratado Ítalo Fratezzi, o popular Bengala.
Logo nos primeiros dias de fevereiro de 1946, Bengala preferiu voltar para Belo Horizonte e Martim foi novamente chamado para treinar o Botafogo.
Ainda foi treinador do Botafogo nos anos de 1952 e 1953.
Faleceu no Rio de Janeiro (RJ), no dia 27 de maio de 1972.

Nenhum comentário:

Postar um comentário